le

Xeque ao Rei ou Xeque-Mate?!

por 5 de Fevereiro de 2018Os textos do Damas0 Comentários

“Arrumar a casa!”

Pedido, mais ou menos imperativo, por parte do nosso Presidente. Dia 17 de Fevereiro, no pavilhão João Rocha, a derradeira Assembleia Geral vai colocar o poder de decisão na vontade dos sócios.
Os 3 pontos a decidir não deixam margem para dúvidas, tal como era de esperar:

1 – Aprovação dos estatutos
2 – Aprovação do regulamento disciplinar
3 – Manutenção dos atuais órgãos sociais

Se algumas pessoas esperariam, ao dia de hoje, um vai ou fica, acabarão a sua segunda-feira com o menu dos números que irão decidir tudo no dia 17.
75% de aceitação mínima nos primeiros 2 pontos e uma esmagadora maioria, tal como nas últimas eleições para o terceiro. Qualquer uma destas metas que não seja atingida e Bruno de Carvalho (juntamente com a atual Direção) abandona de imediato extinguindo a hipótese de algum dia se recandidatar.

Dos chavões às faltas de respeito, dos grupinhos e grupetes que já se desejava não existirem, das pseudo-expulsões elásticas que não servem de nada assim que o processo se extingue permitindo um retorno com ficha limpa ou até das ameaças ao CD à mesa da Assembleia Geral. Carlos Severino, Madeira Rodrigues e até o passado verde e branco com Godinho Lopes no leme não deixaram de ter os holofotes apontados.

Um “Basta” bem audível hoje. Cabe a cada um de nós ter a sua opinião. Rezemos para que a minoria não lute apenas para os 26% que façam mudar algo para o bem e para o mal.
Passa assim a palavra aos sócios!