pontodefuga

Pontos de fuga

por 17 de Abril de 2016À saída do estádio0 Comentários

Há uma única argumentação adversária em relação ao golo do Slimani. Uma única. E não recorre a imagens paradas, em movimento, linhas rectas, curvas ou pontos de fuga. A argumentação é que estava fora de jogo, porque… sim.

Confesso que não me apercebi imediatamente da possibilidade de nenhum fora de jogo, ofuscado que fiquei com a beleza da jogada. Mas quando os comentadores televisivos chamaram a atenção para essa possibilidade, procurei analisar o caso com mais calma. Vi a repetição e de facto fiquei na dúvida. Se à primeira vista poderia parecer em linha com a bola no momento do passe, a verdade é que existia margem para controvérsia. Sou sportinguista e a última coisa que me agradaria, seria conquistar 3 pontos num lance dúbio, quanto mais dar abertura para se embarcar em viagens psicotrópicas com o tema de favorecimentos dos árbitros ao Sporting, ou pressão sobre eles…

Se os valentes árbitros não se deixam pressionar com vouchers com refeições de luxo, ter a sua nota (que devia ser secreta) divulgada pelo Guerra, telefonemas no dia anterior a jogos rivais, vão tremer-lhes as pernas ao escutar ou ler o presidente Bruno de Carvalho, o Inácio ou o Octávio? Seja como for, essas insinuações de favorecimentos leoninos caem por terra quando Paixão tem um critério tão desnivelado para a atribuição de amarelos ou expulsão de treinadores. Mas de volta ao lance.  Fiquei à espera das tradicionais linhas virtuais a tirar as dúvidas. Não surgiram. Talvez por impossibilidade técnica, a SportTV não as apresentou. É pena. O passo seguinte foi dado por sportinguistas como eu, desejosos de tirar o lance a limpo. Cada qual, colocando os seus conhecimentos de geómetras, certamente bem maiores que os meus “medíocres” na escola. (Sempre fui mais de letras) E os frames com linhas virtuais revelaram a dolorosa verdade aos benfiquistas. Slimani encontrava-se em linha com a bola, quando Schelotto lha endossou. Dúvidas tiradas, fica apenas a minha desilusão em observar a comunicação social a afirmar peremptoriamente o contrário. Nunca foram tão afirmativos em lances adversários bem menos discutíveis e que ofereceram 3 pontos…

E se tem sido uma época bem longa no que a isso diz respeito… Ainda que hoje, alguns tenham mudado o discurso de “mais de meio metro” para “duvidoso”. E que nenhum refira que pouco depois, houve outro lance que ofereceu menos dúvidas que este do Slimani, anulado. Não nos enervemos.  Parece-me que toda esta veemência adversária, baseada apenas num “sim, porque sim” se prenda com o facto de duvidarem das capacidades da própria equipa para segunda-feira. Bom sinal. Seja como for, eu já o afirmei e repito:

O Sporting Clube de Portugal vai ser campeão 2015/2016.

P.S.: mais uma vez me ia esquecendo de referir o apoio do 12º jogador. Nas bancadas. E esse imperdoável esquecimento deve-se ao facto de ser um apoio já tão habitual, tão generalizado, tão firme, sincero e constante. Ao longo dos jogos, ao longo de cada jogo, seja qual for o resultado.
Muito desse apoio vem de gente que provavelmente não tinha idade para beber uma cerveja na última vez que o Sporting foi campeão. O futuro está assegurado. E é vosso.