Sporting's player Slimani celebrates after score the second goal against Benfica during the Portugal's Cup fourth round between Sporting CP and SL Benfica held at Alvalade stadium in Lisbon, Portugal, 21 November 2015. MARIO CRUZ/LUSA

Milho Verde

por 8 de Abril de 2016Os textos do Damas0 Comentários

Confesso que ouvir-nos falar de forma constante em relação ao modo como os outros limpam a casa me deixa um desnorte miudinho no que toca a ser imparcial e ético quando confrontado com o peso da realidade de ver o meu clube limitado a um maior crescimento. Face, claro, a um obsoleto sistema no qual deveriam assentar regras cumpridas de igual forma por todos.

Depois de apontados os dedos aos vários órgãos da hierarquia leonina por terem também apontado o dedo, eis que continuam a surgir dinossauros por esse mundo fora a quererem dar “bicadas” mesmo quando perdem as respectivas batalhas. Calhou abrir a página 44 de um certo manual vendido ao público para perceber que Rui Gomes da Silva não deixou ninguém de fora face aos festejos da derrota em Munique. Calhou abrir… em nada teve a ver com “não ganhámos mas também não fomos esmagados como alguns ambicionavam” em rodapé na capa desse mesmo dia.

Porque só aquele clube tem o gabarito de Champions… Porque o penalti por assinalar daria medidas para se falar em Gazprom acontecesse isso a outra equipa… Porque perder por apenas 1 golo é de enaltecer quando o suposto maior do Universo joga em casa de um candidato a rei da Europa. Até aí sempre deu para rir um bocadinho. A cereja no topo do bolo foi mesmo a de “já podem fazer reset ao contador dos penaltis” depois do brinde ao braga que em tudo poderia sempre decidir campeonatos. Porém, quem fala do rival e não é do rival, ambiciona ser como o rival, dizem eles.

A completar… “Jesus poderá ter outra quebra no Porto como é normal acontecer”. Aqui fiquei mesmo a pensar que a estrutura ganhou campeonatos e JJ perdeu jogos. Porque foi criada uma autonomia exímia que só dá mesmo vitórias. Tropeçando no Dragão e perder o campeonato foi mesmo culpa do treinador. Nada a ver com o empate caseiro contra o Estoril, na jornada que antecedeu esse desaire. Com casa cheia, usando as tuas palavras Rui, foi Fantástico!

Sou sincero, o atual líder da liga pareceu mais manso no início e, por mérito próprio poderíamos ter nós esses pontos de vantagem. Vamos lutar com todas as nossas armas, esperemos que os outros o façam (apenas) com as próprias armas também. Das jornadas que faltam o fator casa/fora terá um peso decisivo e, embora as 32 e 34 nos possam causar bastantes problemas, tanto no Porto, como em Braga, o nosso direto rival poderá tropeçar ainda em Vila do Conde e no Marítimo, nas condições mais favoráveis. Isto, salvo qualquer surpresa como o Tondela fez na jornada passada, pois se os azuis tropeçarem de novo num futuro imediato arriscam-se a que o próximo clássico seja apenas para cumprir calendário.

Manter o foco, dar algum calo ao Barcos para compensar o determinado momento em que o Slimani terá de limpar o cartão amarelo de risco (convém que seja entretanto) e monopolizar bancadas em qualquer estádio será crucial. De renatos, vouchers, apitos e outras coisas não dá por enquanto para controlar. Por esta hora as finanças estão saudáveis pelo lado de cá. Aconteça o que acontecer ao Sporting até ao final da época, será cada vez mais difícil fazer melhor. E quando começar a chover vamos andar a vender guarda-chuvas para quem pensa que os dias de sol são infinitos…