j

Precisa-se de gente que acredite!

por 26 de Fevereiro de 2015Hoje é dia de Sporting, O Sporting lá fora0 Comentários

Gostava de começar este artigo a falar de uma eliminatória quase ganha, de relembrar o golo que o Carrillo, ou o João Mário, fizeram na Alemanha e que nos deu uma vantagem magra mas importante. Deixando-nos com um pé nos oitavos-de-final. Gostava de poder contar com um adversário desesperado por dar a cambalhota no resultado, a assumir as despesas do jogo e a ter de vir para cima de nós, deixando a defesa despovoada e com espaço para os nossos extremos explorarem as suas costas.

Pois é… Isto é o que eu gostava, porém, a realidade é bem diferente daquilo que eu desejava. Hoje, vamos defrontar o segundo classificado da Bundesliga, aquele que é claramente, por força desse mesmo lugar que ocupa num dos melhores campeonatos do mundo da actualidade, o favorito para passar esta eliminatória. Claro que a juntar a isto, eles ainda têm dois golos de vantagem do jogo da primeira mão. E é precisamente essa vantagem, que me deixa intranquilo. Dias antes, do jogo de há oito dias, tive a curiosidade de pesquisar alguns vídeos sobre o nosso adversário, e aquilo que mais me despertou a atenção, foi a rapidez e a aptidão desta equipa a jogar em contra-ataque.

O vídeo que mais me surpreendeu foi, de longe, o da recepção ao Bayern de Munique, no Volkswagen Arena. Para os mais esquecidos, o resultado final foi de 4-1. E desses quatro golos, três, nasceram de lances de puro contra-ataque. É esta a principal arma destes conjunto alemão. Na partida da Alemanha, se tivéssemos marcado através de Carrillo, ou de João Mário, ou de penalti, que não foi assinalado, e ainda com o resultado empatado a zero, a história do jogo teria sido completamente diferente. Ia ser interessante ver os alemães  a correrem atrás do prejuízo, sendo claramente perceptível que, nesse plano de jogo, a turma de Dieter Hecking sente-se bem menos confortável.

No entanto, não vale a pena estar aqui a imaginar o que poderia ter acontecido, e a desejar um cenário diferente daquele em que nos encontramos. São eles que estão, momentaneamente, do lado “confortável” do resultado, deixando para nós a completa responsabilidade de assumir o jogo desde o primeiro minuto. Para ainda termos uma palavra a dizer nesta eliminatória, vamos ter de nos atirar aos lobos, mas temos de ser cautelosos na forma como o fazemos. Precisamos de manter sempre a nossa defesa em alerta máximo, de forma a evitar as rápidas investidas dos elementos mais velozes do seu meio campo e ataque. Eles vêm para jogar no nosso erro, e à mínima falha, à mínima distracção que seja, a matemática vai complicar-se ainda mais para nós.

Mas o nosso adversário não é feito só de pontos fortes. Já provámos que conseguimos marcar muitos golos em Alvalade, e, perante uma defesa tão macia como a que vamos ter pela frente, é legitimo acreditar que é possível virar o resultado. Com a vontade e a inspiração nas medidas certas, este Sporting é capaz de se superar nos momentos mais adversos. Já assistimos a isso esta época. Confesso que ajudaria imenso, se à garra da equipa, pudéssemos juntar a garra e a voz de milhares de sportinguistas. Era importante conseguirmos, através do apoio vindo das bancadas, deixar a equipa visitante o mais desconfortável possível. Vamos mostrar-lhes com que linhas se coze Alvalade e com que alma se vive o Sporting! Nós acreditamos em vocês!