gau

Ryan Gauld ou Gold?

por 22 de Janeiro de 2015À saída do estádio0 Comentários

Há jogadores que não enganam ninguém, seja pelos bons ou pelos maus motivos. O nosso puto maravilha, aquele que veio do Dundee United como sendo a transferência mais cara do ultimo verão, é claramente um dos casos que nos conquista pelos melhores motivos possíveis. Apelidado por muitos de “mini Messi”, alcunha que faz referência a um dos maiores nomes de sempre do futebol mundial, era difícil que nós, sportinguistas, não tivéssemos o nível de expectativa elevado acerca deste craque escocês.

Depois de praticamente meio ano ao serviço da equipa B, a taça da cerveja veio dar a possibilidade a Gold, aliás, a Gauld, de se poder mostrar às ordens de Marco Silva. O número 27 dos leões é dotado de elevados níveis técnicos, tem uma excelente visão de jogo, uma enorme qualidade de passe e uma veia goleadora, sendo esta última a cereja no topo do bolo. Este será, com toda a certeza, um dos grandes nomes do futebol mundial num futuro muito próximo. É de uma entrega ímpar ao jogo e está sempre a trabalhar para a equipa. Seja a passar bolas, a roubá-las ou a aparecer em zonas de finalização, a ideia que fica é a de que este miúdo é omnipresente e pau para toda a obra. Diz o provérbio português que: “os homens não se medem aos palmos”. E Gauld, de pequenino, só tem mesmo o tamanho. Valem ouro, os pés deste menino!

Está quente e acesa a luta pelos lugares do meio campo leonino e, Marco Silva com esta “brincadeira” dos jogos da taça da cerveja, ganhou (mais) uma óptima “dor” de cabeça. Mas não terá sido a única, porque olhando mais uma vez para o jogo de ontem, podemos facilmente constatar que Wallyson e Podence, por exemplo, são opções válidas para o técnico leonino. Claro que a concorrência é feroz para ambos, contudo, agrada-me imenso ver mão-de-obra com tanta qualidade a concorrer por um lugar ao sol. Numa partida onde fizemos uma excelente primeira parte, estes foram os nomes que mais me empolgaram. E já nem estou a ter em conta Tanaka. Para mim, o japonês já é um caso de sucesso e uma opção mais do que válida para a frente de ataque verde e branca.

Então mas não perdemos 3 pontos? Sim, é verdade. Mas mais importante do que vencer estes jogos e assegurar a nossa continuidade na Taça da Liga, é podermos ver os vários talentos que continuamos a gerar na nossa academia, talentos esses que espreitam ansiosamente por uma oportunidade ao mais alto nível competitivo, compondo o quadro do futuro do leão rampante.

Antes de terminar, não podia deixar de fazer referência ao segundo golo de Gauld na partida de ontem. Por momentos, pensei que estava a assistir a um jogo de futebol de praia; Wallyson, enterra o pé na areia, coloca a bola no ar, à disposição de Gauld, que remata de forma indefensável para baliza de Matt Jones. Craques, estes miúdos...