Apresentação de Marco Silva como novo treinador do Sporting

Regresso de férias

por 3 de Janeiro de 2015Hoje é dia de Sporting0 Comentários

Estive (digamos assim) de férias nesta quadra festiva.

Perante todo o burburinho (ou gritaria desenfreada, mais exactamente) criado à volta das posições de Marco Silva e Bruno de Carvalho (MS e BdC), optei por me distanciar. Comi o bacalhau natalício, abri as ofertas de meias e bebi o vinho espumante de passagem de ano acompanhando muito de longe e muito distraidamente o fenómeno criado pela comunicação social e alguns blogues.
Quando, na TV, o canal passava para os painéis de comentadores desportivos, com a desonestidade mental que os caracteriza, eu fazia funcionar o controlo remoto. Vi quase todos os episódios de House em reposição. Estou apto para operar hipocráticamente ou coxear hipocritamente…

Gosto de ambas personagens, MS e BdC. Pelo esforço, dedicação e devoção colocados ao serviço do Sporting em posições completamente diferentes no clube. Para mim, a competência que colocam ao serviço do clube é inquestionável.

Também gostava de José Eduardo, uma pessoa que eu considerava que reunia uma opinião equilibrada e assertiva. Recordo-me de um programa 4-4-3 onde ele coloca os dedos todos na ferida do futebol nacional em defesa do Sporting Clube de Portugal.

Neste momento, sem “inside info” no Sporting que me permita uma opinião informada, tudo são suposições e cenários. E eu, certamente não vou cair nessa valeta de arrogância em que toda a comunicação social voluntariamente resvalou.

E se é óbvio que qualquer um desses órgãos de comunicação social não sejam possuidores de mais informação que o sportinguista normal, neste momento… isso não os impede de irem ao extremo de afirmar que o presidente deseja uma derrota do Sporting(!!!!). É a loucura da imaginação. A puta da loucura.

Assim, enquanto os media realizam esses sudokus que tanto emocionam os nossos adversários e algumas adolescentes sportinguistas,

eu, e quase todos nós, preferimos voltar as nossas atenções para o jogo de logo, onde vai estar em campo o melhor jogador a actuar no campeonato nacional, um dos que, quando está em forma, tem lugar em qualquer equipa europeia: refiro-me, obviamente a Nani. (eu sei, eu sei, esta descrição poderia também caber a Patrício, Cedric, William Carvalho, Adrien, Carrillo ou Montero…)

Sim, enquanto os especialistas de linguagem corporal vão estar ocupados a analisar a postura de treinador e presidente no banco, eu vou estar a assistir às fintas do Nani, aos passes de Adrien, aos toques de classe de Montero no relvado.

E vou sorrir com ironia, quando, após a vitória sobre o Estoril, o pobre jornalista avançar com as questões de merda ao Marco Silva na “flash interview”.