cr

O bom comentador/ O mau locutor – Take 1

por 8 de Outubro de 2014Os textos do Damas0 Comentários

Carlos Dolbert, comentador/locutor da SportingTV, tem sido alvo de algumas discussões (no bom sentido) entre sportinguistas. Se por um lado, tem como ponto positivo a sua frontalidade, por outro, tem um nível argumentativo que deixa muito a desejar.  

Carlos Dolbeth é um senhor muito inteligente. Tem um discurso muito transparente e frontal. É verdadeiro e é daquelas pessoas que chama os bois pelos nomes. À partida, estas seriam qualidades para me deixar satisfeito enquanto telespectador do nosso canal televisivo, mas na realidade isso não acontece. Há muito tempo que Carlos Dolbeth é um “velho conhecido”, e uma figura carismática, no mundo da Rádio. Acrescento que nem sempre pelas melhores razões, ora pelas suas frases exacerbadas, ora pelas reacções intempestivas. Como o próprio assume, é um pessoa polémica. Uma vez afirmou que “aqueles que não gostam de me ouvir e continuam a ouvir ou são imbecis ou são masoquistas”, portanto, eu corro o risco de ser um pouco dos dois…

Admito que no decorrer das transmissões dos jogos na SportingTV, algumas foram as vezes que senti uma ligeira sensação de vergonha alheia. Penso que a sua linguagem, por vezes, ultrapassa, os limites do bom senso. Chego mesmo a considera-la desbragada e pouco digna de um jornalista que fala em Televisão. A juntar a isto, detesto o modelo de narração com que conduz os jogos. Mesmo sendo esta a sua maneira de estar, às páginas tantas, começamos a colocar em causa a sua autenticidade.

Frases como: ” ´Tás-me´ a enervar!”, “Pensou na sogra quando rematou" ou "Wallyson, vai passear...", são exemplos daquilo que não se deve dizer enquanto funcionário da televisão oficial do Clube. E já agora, aquela "masturbação verbal" em que quase todos os jogos proclama que é um Deus grego, alto e loiro, também podia acabar.

Não quero para o canal do meu clube, o facciosismo e bimbalhada que se fez na televisão do rival. Como disse no início do texto, Carlos Dolberth, é uma pessoa que chama os bois pelos nomes e diz o que tem a dizer sem papas na língua, no entanto, já percebemos que apesar das suas intervenções estarem longe do politicamente correcto e serem aceites na actual estrutura da SportingTV, a linha que separa essa frontalidade, da fanfarronice, da vaidade e da arrogância, é muito ténue.

Sou da opinião que, para locutor nas diferentes modalidades do Clube, esta não foi uma escolha acertada. Alguma piadas são muito forçadas e não têm graça nenhuma (neste ponto, aceito quem goste). Os enganos nos nomes dos jogadores são por demais. Os lapsos em relação às regras do Andebol e Futsal são gritantes. O desconhecimento dos intervenientes das modalidades é surreal. O interromper as análises do seu parceiro são constantes. Enfim... são muitas as razões que me levam a formar esta opinião.

Vou clarificar esta minha ideia: Como locutor dos jogos de todas as modalidade do Clube, não! Enquanto comentador num programa de opinião, tudo muito bem.  Como comentador num noticiário, num debate, num forum leonino, Carlos Dolberth é uma mais valia para a nossa televisão. Porque apesar de se gostar ou não, é um homem vivaz, que põe o dedo na ferida em assuntos mais sensíveis para a maioria do jornalismo feito cá no burgo e, acima de tudo, no meio dos defeitos e qualidade, coloca sempre à frente os superiores interesses do Sporting. Não tenho a mais pequena dúvida de que se trata de um excelente profissional e que possui características ideais na sua personalidade para elevar o bom nome do Sporting clube de Portugal em qualquer programa de debate televisivo.

É verdade que o lema é "Estamos em Casa!", senhor Carlos. Mas existe uma diferença entre estarmos em casa ou numa tasca de Carnide a mandar larachas. Como se costuma dizer, é à vontade, mas não à vontadinha.