rj

Enorme, Rui!

por 10 de Outubro de 2014A nossa Selecção0 Comentários

No jogo de ontem, os sub-21 de Portugal venceram e convenceram na primeira mão dos play-off  para o Europeu de 2015. O resultado final de 0-2 frente à Holanda, acaba por ser escasso face à qualidade do futebol apresentado e ao número de oportunidades de golo desperdiçadas. A selecção treinada por Rui Jorge continua imparável e somou a nona vitória em outros tantos jogos. Espera-se agora que na Terça-Feira, em Paços de Ferreira, Portugal confirme a sua presença no campeonato da Europa do próximo ano. 

É de realçar que mesmo não contando com três jogadores que foram chamados a selecção A e mais outros cinco a contas com lesões, Rui Jorge foi capaz de construir uma equipa que, pese embora a diferença, se manteve compacta, coesa e com a mesma mentalidade vencedora. O mérito vai, inteiramente, para o seleccionador nacional.

Não poder contar com André Gomes, William Carvalho e João Mário, à primeira vista, parecia um obstáculo difícil de contornar: Primeiro, porque este trio tem uma qualidade inegável e é complicado de o substituir e segundo, porque tem mais rotinas e mais entrosamento ao serviço da equipa das quinas. Rúben Neves, Bernardo Silva e Rafa, foram as alternativas escolhidas e pode-se dizer que, no cômputo geral, foram alternativas de sucesso. Com especial destaque para a exibição de Bernardo Silva. O jovem médio da "formação" encarnada agora emprestado ao Mónaco, é o principal destaque na saborosa e importante vitória alcançada ontem, em Alkmaar. Não um destaque como o do Jornal "A bola" quer fazer passar, ainda assim, foi o melhor em campo no jogo de ontem. Em especial nos primeiros 45 minutos, nos quais o médio português mostrou-se a um excelente nível quer físico, quer táctico, quer individual. O outro destaque recai sobre Raphael Guerreiro. O defesa esquerdo, que actua no campeonato francês ao serviço do Loriente, rubricou uma bela exibição. Muito acertado na hora de defender e sempre muito empenhado no apoio ao ataque, Raphael Guerreiro foi uma surpresa agradável. Ao minuto 59’ após uma boa jogada individual dispôs de uma soberana ocasião para atirar a contar mas o guardião holandês conseguiu travar o remate.

Puxando para o nosso lado, Paulo Oliveira, Esgaio e Iuri Medeiros, também foram protagonistas na conquista da armada portuguesa no pais das tulipas. Os dois primeiros a realizarem uma exibição q.b e Iuri Medeiros que lançado no último quarto de hora da partida, não teve tempo para grandes demonstrações do seu valor.

Não. Não me esqueci de Carlos Mané. O extremo leonino, marcou um golão. Tivesse o protagonista deste rasgo individual outras cores e hoje, também seria capa no jornal A bola. Mané, recebeu de costas para a baliza, fintou um, dois e depois três e, em jeito, colocou a bola no fundo das redes de Hahn. Um lance individual de alto gabarito por parte do avançado do Sporting que está a correr o mundo.

O apuramento ainda não está definido mas está muito bem encaminhado. Esta geração é uma das mais fortes dos últimos anos e Rui Jorge tem aproveitado bem esse factor. Mesmo sem o meio-campo habitual, mesmo sem Edgar Ié, Bruma, Rony Lopes, entre outros, o treinador português continua imbatível. Acabo da mesma forma que comecei: Nove jogos, nove vitórias. Aqui, o mérito vai todo para o seleccionador nacional de sub-21. Rui Jorge, tem sido enorme!