• 1
  • x

As bocas da lampionagem

por 22 de Julho de 2014À saída do estádio, Os textos do Damas0 Comentários

“Pelo menos ganham uma taça”

Confesso que não dou grande importância a estes jogos de pré-época, já o referi anteriormente aquando da penúltima edição da taça de Honra da Associação de Futebol de Lisboa, na qual o Sporting também venceu o Benfica. Óbvio que estaria a mentir se vos dissesse que mesmo sendo a feijões não queria ganhar. É, tal e qual, como este meu amigo lampião me costuma dizer: “a cara de quem ganha nunca é igual a de quem perde”. Um derbie tem sempre um sabor especial, é sempre um jogo mais intenso e que nos provoca mais emoção porque é onde a rivalidade fica em brasa e só por isto… caramba, uma taça, é sempre uma taça!

Mas o mais importante é que são jogos que servem para preparar, definir, experimentar, entrosar e preparar soluções para quando for a doer, no objectivo jogo a jogo, o Sporting saía vencedor, se possível em todas as partidas.

“Vocês têm a SportingTV mas precisam da BTV para ver o jogo”

Apenas acrescentam mais uma história ao seu rol de demonstrações de falta de ética e conduta desportiva. Está no sangue do clube. Esta é a verdadeira essência de um clube com o Benfica. Desde a falha de luz, o ligar do sistema de rega, os oculinhos para o treinador do Tottenham, o “limpinho limpinho” e mais recentemente, o “temos que fazer outras cenas”.

O director geral da BTV tem o desplante de dizer isto: “Não podemos ser acusados de ter feito algum boicote aos clubes adversários, pelo facto do canal não ter emitido em directo a entrega da Taça de Honra ao Sporting. Nós temos tempo limite de satélite e horários para cumprir, aquilo atrasou-se um bocado, nós tínhamos outras coisas para fazer“.
Como é que é possível, um clube que adquire os direitos televisivos de um torneio, corte a emissão numa altura em que os jogadores leoninos se perfilavam para levantar a taça? É a BTV e o Benfica no seu esplendor.

Isto, não só é surreal, como é igualmente vergonhoso. São este tipo de atitudes que afastam o respeito pelo adversário e que ao mesmo tempo são geradores de ódios e conflitos. São muitos, demais até, os episódios protagonizados pelo nosso rival. Gestos que em nada enaltecem um clube centenário como o Benfica, como também ofuscam o mérito das suas conquistas.

“Quando for a sério, estamos aqui para ver”

No Restelo,  os adeptos Benfiquistas iam tentando travar o ímpeto das claques leoninas. Um esforço inglório mas que ainda assim, de maneira muito baixinha ouvia-se algo como: ” O campeão voltou, o campeão voltou!”.

Pois eu penso que não voltou. O campeão da época passada, não é este Benfica 2014/2015 e por diferentes e variadas razões:  A principal e segundo o artigo do Diário de Noticias a torneira do BES fechou, depois segue-se aquela que é considerada a maior transferência nos bastidores do futebol, falo do “treinador” da selecção Jorge Mendes que se mudou para o clube da fruta e por fim – mas que terá sido o inicio – o famoso jantar, no qual não apareceram os mais influentes da equipa, o que terá deixado o orelhas a arder e a promessa de que estes não voltariam a jogar no clube.

Ao contrário do que dizem, de que “quando for a sério, estamos aqui para ver”, os Sportinguistas também estão ansiosos e sobretudo confiantes. A palavra confiança esta época em Alvalade surge fortificada, pois quando o plantel – ainda – é praticamente o mesmo, o treinador é sinónimo de qualidade e a direcção mostra-se firme e empenhada no objectivo comum ao universo leonino, temos razões de sobra para encarar o que se avizinha com confiança. Mais preocupado estaria se tivesse um plantel esquartejado dos pés à cabeça e episódios à lá Bruma.

“Vocês falam muito da formação mas só compram putos estrangeiros”

Outra vez errado! Agora, na Holanda por exemplo, são 14 jogadores com o carimbo de Alcochete. E até vou mais longe, são tanto que por vezes dá a sensação que alguns caiem no esquecimento, é o exemplo de Foboko. Será assim tão inferior ao Simeon? E Zezinho não teria lugar no plantel do Sporting?

Esta convocatória para o estagio na Holanda, é uma clara manifestação da força que tem a formação do Sporting no actual plantel principal. Rui Patrício, André Martins, William Carvalho, Eric Dier, João Mário,  Adrien, Mané, Cédric, Wallyson, Chaby, Iuri Medeiros, Esgaio e Tobias Figueiredo, Chega?
O Sporting continua a formar em quantidade e qualidade. A propósito, penso que estão aqui nestes nomes, alguns da melhor fornada proveniente de Alcochete.

“Então e o Shika prendeu o burro?”

Tenho ideia de que se trata de um boato lançado pelo jornal do FêCêPê, o “Jogo”, na tentativa de criar uma tempestade num copo de água, e também fico com a ideia de que alguns Sportinguistas o “engoliram” mesmo sem ter a certeza do teor verídico ou da “pureza” de tal informação.
Isto pode ser facilmente desmascarado se eu dissesse que que Shikabala, devido ao Ramadão, foi mais cedo para os balneários? Também se diz que é à pala deste nono mês do calendário islâmico que a transferência do internacional Egípcio Rabia ainda não foi oficializada.

Mas isto são fait-divers para desviar atenções dos verdadeiros problemas. O Sporting começa a preocupar muita gente, e é neste tipo de “não-notícias” que se percebe claramente.

Quando o maior problema na pré-temporada é o amuo do Shikabala (que curiosamente aparece hoje numa foto à chegada de Amesterdão com a cremalheira toda à mostra) é sinal que as coisas vão bem no reino do leão.

Sporting sempre