dier

O clube da fruta, as renovações e os leões no mundial

por 24 de Junho de 2014O Sporting lá fora, Os textos do Damas0 Comentários

Comecemos pelo pior: futebol clube do porto. Se por um lado a tabela classificativa do campeonato, diz-nos que nos conseguimos superiorizar face a este clube, por outro, numa guerra que não parece dar tréguas, continuamos a vacilar na protecção da formação perante estes raptos portistas. Baldé, esse ganancioso com pele de empresário, também conhecido como “o traficante”, continua como o intermediário destas operações que menosprezam e desvalorizam a carreira futebolista de uns quantos jovens com potencial, a troco dos euros provenientes nas comissões das transferências.

Agostinho Cá, Edgar Ie, Bruma, Braima, Candé, Cassamá, Sambó: todos estes guineenses foram colocados numa «frota de charters» que Catio Baldé tem trazido para Portugal. Metade dos que acima mencionei, saíram para grandes clubes, a outra metade, para o clube azul e branco, com a agravante de todos deixarem a academia num espaço de um ano.

Numa guerra que parece não ter fim à vista, Bruno de Carvalho terá que realizar um esforço bélico para se livrar desta escumalha que continua a desrespeitar o clube, bem como a desrespeitar um desporto que cada vez mais, é menos humano.

Será mais um esquema à “Don Corleone”? Cortar o mal pela raiz? Não sei. Contudo, quando a máfia está envolvida em esquemas, coisa boa não é certamente e utilizando a gíria popular: todos sabemos que o inferno está cheio de boas intenções.


Passando para o menos bom: Eric Dier e Matheus Pereira. O primeiro, um diamante do plantel principal e o outro, um que acarreta consigo o cognome de “futuro craque” da academia Sporting. O nosso “English man“, cresceu praticamente de leão ao peito. Dier, reúne todas as capacidades e qualidades para vir a ser o futuro patrão da nossa defesa e tem a seu favor, ser um dos meninos queridos da esmagadora maioria dos adeptos leoninos. Pessoalmente e num futuro em que as conquistas serão uma realidade, vislumbro Dier com a braçadeira de capitão no comando das tropas leoninas. Ser suplente aos 20 anos, não é um crime, é antes uma parte de um processo natural. Rojo e Maurício deram-se bem, o treinador achou que era a dupla que mais se encaixava e isso colocou-o como 3º opção. Aguardo com alguma intranquilidade o desfecho deste processo, ainda para mais, um exemplo destes, onde a qualidade futebolística/profissional caminha lado-a-lado com o futuro do leão rampante.

O que escrevi para Eric Dier, em nada se enquadra no futuro craque da academia. Matheus Pereira é uma pérola, chama a si um conjunto de capacidades incríveis, no entanto continua a faltar o essencial: Chegar ao futebol profissional. Quantos não foram, alguns recentemente, os jovens que abandonaram a academia e rumaram a outras paragens sem ter sucesso? Jogadores que são iludidos pelos empresários, que acabam por não se adaptar ou simplesmente porque nunca terão a oportunidade que só um clube como Sporting oferece aos jogadores oriundos da formação. Estes amuos de miúdos que ainda agora dão os primeiros toques na bola, normalmente nunca têm um final feliz. A ver vamos, Matheus.


Acabando no melhor: Super Sli e King William. Poder juntar os dois neste texto, é por si só, um misto de prazer, orgulho e alegria. Ao serviço da sua selecção, o nosso número 9, o furacão magrebino, fez as delícias dos adeptos do seu país e ofereceu a nós, Sportinguistas, a oportunidade de torcer por uma selecção no mundial. Pelo menos uma que se apresente em campo. Slimani foi nomeado M.V.P na partida frente a Coreia do Sul, numa partida electrizante e na qual contribui com um golo e uma assistência. 

Depois e acabando de maneira sublime, despeço-te com um enorme “King William”. Classe, estilo e charme. Perfeição, elegância e inteligência. William Carvalho, tem isto e muito mais. É um facto consumado: King William não é mais aquele menino que apareceu de´mustache´ no início da época passada. Hoje, King William, depois de ter conquistado o reino de Alvalade, parte para conquistar o mundo e controlá-lo com a mesma calma e magia com que controla a bola em qualquer campo deste planeta.


Sporting sempre