Eu quero o Sporting campeão!

por 3 de Junho de 2014Hoje é a tua vez, Os textos do Damas0 Comentários

Parece que foi ontem o célebre jogo no estádio Vidal Pinheiro. Contra o Salgueiros, no dia 14 de Maio do ano 2000, nascia o primeiro campeão do novo milénio, o Sporting Clube de Portugal. Precisei de viver 15 anos para poder festejar o maior titulo do futebol nacional. Era o terminar de um longo pesadelo de 18 anos. Finalmente pude festejar aquilo que desde pequeno sonhava ver o Sporting atingir. Éramos campeões!

Que bem que soavam estas palavras na minha boca depois de golearmos o Salgueiros com 4 golos sem resposta. Com o derradeiro apito do árbitro a explosão de alegria ganhou ainda mais ênfase e o sonho estava finalmente consumado. Entrámos nervosos, num jogo em que apenas dependíamos de nós, precisámos de 48 minutos para quebrar a resistência salgueirista mas ao fim de muitas unhas ruídas e nervos à flor da pele, eis que André Cruz, de forma categórica como tão bem nos habituou, fez o meu coração explodir de alegria e emoção. Foi sem dúvida um dos golos mais importantes da minha vida como Sportinguista.

Começava a ser assim saciada uma fome de vencer que esperou 18 anos. Na história dos marcadores desta partida ficaram também Kwame Ayew e Aldo Duscher. O quarto golo foi novamente de André Cruz, como era quente aquele pé esquerdo que tantas alegrias nos deu. Não querendo desvalorizar nenhum dos outros dois jogadores, fiquei particularmente feliz por Duscher ter marcado no jogo do titulo. Foi um dos meus jogadores preferidos daquele plantel de 99/2000, onde havia de facto muita qualidade, mas confesso que o argentino mereceu uma especial atenção da minha parte. Na minha modesta opinião, ele foi um dos principais maestros da 17ª sinfonia de Alvalade, um jogador que tinha raça de leão e que através do seu dinamismo, técnica e visão de jogo, fazia muitas vezes a diferença. Quatro golos fizeram tremer o país naquela dia, demos um autêntico KitKat ao Salgueiros na segunda parte, rugimos bem alto desde Paranhos, o suficiente para que se ouvisse em Barcelos onde a concorrência tremeu com a nossa impetuosidade.

A época que findou recentemente, fez-me lembrar algumas vezes a equipa que nos levou ao titulo em 2000. Não éramos candidatos a nada, contudo, jogo a jogo, ponto a ponto, vitória após vitória, fomos crescendo, acreditámos e no fim, vencemos. É verdade que vínhamos da pior época de sempre, batemos fundo, bem fundo, mas logo nas primeiras 4/5 jornadas eu comecei a acreditar que esta não seria apenas mais uma época, o tal plantel de “tostões”, como foi apelidado, conseguiu atingir um futebol de qualidade que há muito não se via em Alvalade, com uma regularidade e consistência que andava afastada do reino do leão. Mostrámos que os milhões podem valer muito pouco em futebol, que importantes são os argumentos que entram em campo: o suor, a dedicação e a vontade de vencer foram os nossos maiores trunfos.

Sem nunca termos assumido a luta pelo titulo, eu acreditei. Eles fizeram-me acreditar. Jogámos bonito, fomos eficazes, soubemos defender, soubemos atacar, tivemos um meio campo brilhante, fomos uma equipa que valeu pelo seu todo, capaz de vencer qualquer jogo, capaz de se superar. Em quase todos os estádios por este país fora conseguimos gerar novamente um ambiente familiar, voltámos a sentir que Portugal inteiro é a nossa casa e não apenas Alvalade. Atingimos um dos dois lugares que muitos pensavam já estar destinados no inicio da época e saímos de forma injusta e cruel das duas taças que disputámos. Faltou sorte também, quanto a mim, merecíamos mais, fizemos por isso. Mas acredito que a maior vitória de todas foi o reunir de gente competente e capaz de fazer muito pelo nosso Grande amor. Voltámos a ocupar o nosso lugar e a lutar naquela que é por mérito próprio, a nossa guerra. O Sporting voltou a ser nosso e o sonho voltou a estar mais próximo.

Estamos finalmente no caminho certo, estamos no caminho dos títulos que tanto queremos voltar a conquistar, o Sporting merece, nós merecemos, nós vamos conseguir! A nossa força é brutal e contamos já com mais de um século de histórias e glórias, mas queremos mais, queremos mais um século repleto de conquistas, e de novas conquistas também. Temos muito para ganhar ainda e acredito que com a direcção que temos neste momento é possível acreditar. Vamos acreditar nesta gente que nos devolveu a esperança, que fez bater forte os nossos corações e que tudo tem dado pelo nosso futuro.

Precisamos de limar arestas, afinar as máquinas e reforçarmo-nos da melhor forma possível, sempre com os pés bem assentes no chão, conscientes das nossas limitações, mas sempre de olhos postos naqueles que são os nossos verdadeiros objectivos. Vamos voltar a estar no meio dos grandes clubes europeus, nos grandes palcos, vamos estar na grande montra do futebol mundial, onde estamos por mérito próprio. Mas acima de tudo, espero voltar a estar na luta pelo titulo de campeão nacional, é esse o meu maior desejo. Espero esta época ver um jogo como o de Paranhos, com a mesma importância, com o mesmo desfecho.

Sporting, tu vais vencer!