Até para o “ano”, Sporting!

por 14 de Maio de 2014À saída do estádio, Os textos do Damas0 Comentários

Domingo foi o ponto final de uma época cheia de histórias para se ouvir, cantar e encantar. Não fosse o péssimo desempenho nas últimas duas partidas do campeonato, esta equipa de Leonardo Jardim, tinha tudo para ser considerada perfeita.

No último jogo, tal como aconteceu a semana passada na “Choupana”, o Sporting entrou amorfo. O pensamento dos jogadores neste momento já passou a barreira de Alvalade: alguns querem férias, outros querem o mundial. No entanto, existe e tem sempre que existir, um compromisso entre os jogadores e o símbolo que representam, e aqui neste ponto, Leonardo Jardim claudicou. A jogar em casa frente ao Estoril, num jogo que nada significava para as contas finais, Alvalade contou com o apoio de 37 mil adeptos, (é obra!) que pretendiam homenagear esta equipa. A equipa não entendeu a mensagem e obrigou os adeptos a 90 minutos entediantes debaixado de um calor tremendo. O Sporting instituição, o Sporting clube de Portugal, tem que fazer mais, muito mais, do que aquilo que apresentou em campo.
O culto de vitória também se adquire nestes jogos. Tem que voltar a ser um hábito, tem que fazer parte do ADN do Sporting, tem que ser uma rotina, ganhar sempre em Alvalade e muito mais, quando estamos perante equipas inferiores. O Sporting mais que ser respeitado, tem que ser temido, tem que criar calafrios aos jogadores adversários, deixá-los a tremer que nem varras verdes quando pisam um relvado com 37 mil leões na bancada. Ainda que tudo estivesse resolvido, é absulutamente fundamental incutir este espirito ganhador em qualquer situação e frente a qualquer adversário. E é fundamental incuti-lo, agora!

Depois deste desabado e ainda com mazelas profundas da minha despedida deste ano em Alvalade, não me esqueço da tremenda época que a turma de Leonardo Jardim me proporcionou. Não passámos do pior ano de sempre, para o melhor de sempre, mas andamos lá perto. Recuando um pouco no tempo, se todos nos relembrarmos das condições económicas e desportivas com que partimos para esta época, melhor que o resultado obtido era quase impossível.

Esta estrutura do Sporting merece todo o nosso apoio e respeito. Os jogadores foram guerreiros, lutaram com garra e dedicação. Superam barreiras e ultrapassaram com bravura muitos obstáculos. Colocaram-nos na rota da liga milionária, jogaram cara-a-cara com todos os adversários e demonstraram muita união e espírito de grupo. A equipa técnica superou as expectativas. Num plantel que é considerado, unanimemente, curto e com substancial diferença entre titulares e suplentes, Leornado Jardim e os seus adjuntos, apresentaram resultados excelentes. Os dirigentes cumpriram com aquilo que objectivaram no inicio da época. Bruno de Carvalho, sempre ao lado dos jogadores e equipa técnica, afastou por completo os maus-olhados dos magnânimos jornaleiros que referiam que, com ele no banco, todos estariam mais pressionados. Acusaram-no de populismo e demagogia, o que até pode ter um fundo de verdade, contudo, este alimentar a imprensa, serviu para que Leonardo Jardim e os jogadores trabalhassem de forma calma e tranquila, sem pressões externas.

Face aos nossos mais directos adversários, os resultados ainda estão longe de ser satisfatórios, porém, desmitificaram-se alguns (não)problemas e ultrapassaram-se alguns complexos. Mas se esta época consigo aplaudir com orgulho este Sporting, desde já lanço o aviso de que, nós adeptos, para a próxima época, queremos ainda mais! Queremos lutar pelo titulo de forma mais acérrima, queremos lutar por um Sporting campeão, como mais imponência e capaz de oferecer, não a 37 mil leões mas a milhões deles, o titulo nacional.

Nota: O hino da Liga dos Campeões, no fim do jogo?! Não somos o Braga!

Sporting sempre