575756_10151703451171555_1373900031_n

O Topo

por 13 de Dezembro de 2013Os textos do Damas0 Comentários

Nove anos depois, estamos de volta ao topo da tabela da Liga. Os três pontos garantidos em Barcelos, mercê de uma vitória segura sobre o Gil Vicente e do deslize do Benfica na semana seguinte ao do FC Porto permitem que os nossos leõezinhos ocupem um lugar que poucos ou nenhum esperariam no início da temporada.Em primeiro lugar, esta prestação deve-se em grande parte à ação da direção presidida por Bruno de Carvalho. A crise financeira em que o nosso clube está mergulhado obrigou a uma contenção de custos muito severa que provocou uma autêntica “revolução” no futebol leonino. Os elementos mais caros saíram ou aceitaram baixar a folha salarial, a composição do mercado passou muito pelo que se faz dentro de casa, aproveitando-se, ainda mais, os jogadores vindos dos escalões de formação e as incursões no mercado de transferências foram poucos, cirúrgicas e na sua maioria bem-sucedidas.

Posteriormente, o rumo transmitido pelo comando técnico de Leonardo Jardim veio trazer para dentro de campo tudo o que nós queríamos. Raça, querer, ambição, trabalho e vitórias. Tudo isto tem sido alcançado devido á ação de um plantel que não se equipara ao dos nossos diretos perseguidores em prestígio e montantes salariais, mas que quanto á qualidade do futebol não tem igual em Portugal.

Assentes numa baliza superiormente defendida por Rui Patrício, a defesa não tem comprometido e é mesmo a segunda menos batida da Liga. Maurício e Jefferson têm sido excelentes contratações e boas surpresas, mais o primeiro pois o segundo tem confirmado as boas indicações deixadas na temporada passada. O meio-campo tem em William Carvalho, um jogador como há muito poucos, um pilar não só defensivo mas que também participa e bem numa primeira fase da construção de jogo. Adrien como um “regista” está perfeito enquanto André Martins é o homem dos desequilíbrios ofensivos, formando um trio que poderia, num universo paralelo justo, ser perfeitamente chamado á seleção nacional. O ataque, que é só o melhor da Liga conta com Fredy Montero, o homem golo mor, como um esteio que já não precisa provar o seu valor.

Agora, chegados ao primeiro lugar, todos também sabemos que a pressão irá aumentar. Principalmente na comunicação social, agora que o Sporting passará a preencher mais as capas. Próximos que estamos da reabertura de mercado, não serão poucos os jogadores associados às nossas cores, ainda que numa lógica de desestabilização daqueles que, estando no Sporting, estão a fazer um excelente trabalho. Já no defeso foi confirmada por todos a inépcia para acertar ou chegar perto dos nomes que foram contratados pelo que qualquer especulação lançada por esses meios não pode ser verdadeiramente levada a sério, até porque Bruno de Carvalho fechou a porta a contratações neste mercado. É tempo de cerrar fileiras. Chegar ao final da primeira volta em primeiro lugar significa o ultrapassar de uma barreira que poucos julgariam possível.

A verdade é que, pouco a pouco, vamos voltando a ser o Sporting Clube de Portugal, um emblema temido por todos em Portugal e na Europa. O respeito em Portugal está restabelecido, resta-nos lutar ainda mais para que, jogo a jogo, possamos espantar ainda mais adeptos de futebol.