139872_galeria_sporting_v_nacional_liga_zon_sagres_j27_2012_13.jpg

Meritocracia

por 18 de Dezembro de 2013Os textos do Damas0 Comentários

A meritocracia, como forma de liderança, propõe a eleição ou nomeação dos mais qualificados para ocupar os lugares decisórios. Onde é que isso se vê no futebol português? Na presidência da Federação Portuguesa de Futebol e da Liga estão um “testa de ferro” no primeiro, e um presidente com quase nenhum poder decisório e sem quaisquer capacidades para ocupar tal cargo no segundo. Falaremos então de arbitragens e do seu Presidente do Conselho de Arbitragem? E dos árbitros? Haverá algum mérito na subida de alguns “símbolos” da arbitragem em Portugal?Não é só nos cargos ditos isentos e decisórios. Na presidência de muitos clubes estão ou estiveram elementos sem qualquer tipo de qualificação para ocupar esses cargos que mais não fizeram, ou fazem, que prejudicar o clube que juram defender. Também no nosso Sporting isso se verificou durante os muitos anos negros de presidências inqualificáveis que, pouco a pouco, deixaram o nosso clube na berma de um precipício fatal.

Será a liderança do Sporting um dos poucos sintomas de meritocracia no futebol português? Qualquer adepto de futebol que goste de ver noventa minutos de espetáculo competitivo terá de concordar. O Sporting tem mais dois pontos que os seus mais diretos perseguidores, é a grande distância o ataque mais concretizador da competição e tem a melhor defesa juntamente com o FC Porto. Aproveitou quando os outros desperdiçaram e no cômputo geral, tem sido claramente a melhor equipa decorridas que estão treze jornadas.

É por isto que percebo, e acabo por não perceber, este celeuma à volta da grande penalidade mal assinalada no encontro com o Belenenses. Sim, foi mal assinalada, é preciso reconhecê-lo com clareza. Mas, olhando para o lance que se lhe seguiu onde Fredy Montero foi travado em falta, não assinalada, é preciso também concordar com Leonardo Jardim quando dizia que as equipas grandes são sempre beneficiadas olhando para todo o conjunto de jogos da temporada. Porém, entre equipas grandes, a história é outra como já se viu.

E o que há a reter de tudo isto? O mesmo que já havia mencionado no texto anterior. Nós como sportinguistas temos de cerrar fileiras e mostrar que a nossa união é verdadeira. Verdadeira para travar e derrotar todos aqueles que tentam, por todos os meios, tudo o que de bom tem sido feito no nosso clube e para que a verdade venha sempre ao de cima no desporto português.
O Sporting vai pelo caminho da meritocracia, agora resta aos outros seguirem o nosso exemplo.