montero_sporting

Faz-nos sonhar!

por 18 de Agosto de 2013Hoje é dia de Sporting0 Comentários

Depois de uma temporada para esquecer, já falta pouco para o início oficial da nova época. Os «bês» venceram por 3-1 o Beira-Mar – golos de Betinho, Iuri Medeiros e João Mário –, mas a tarde de hoje é que traz de volta os jogos dos grandes a Alvalade. E a sério. 


O encontro com o Arouca, tal como todos o serão daqui para a frente, é determinante. Neste início de época, cada partida será um exame à equipa. Com menos jogos, por via da não participação nas competições europeias, muitos dirão que o desgaste será necessariamente menor e – seguindo contra a teoria de que o melhor treino está no jogo – que a equipa terá mais tempo para a preparação. Talvez com razão. Não estar presente em qualquer prova da UEFA é um pontapé no estômago suficiente para fazer exigências. Exigir da equipa que jogue, no mínimo, o melhor que sabe, e com a ambição de quem veste de verde e branco. Motivos mais do que suficientes para, como já ficou provado, ao sol e à chuva, encher Alvalade.


Fredy Montero. Sporting 2013/14.

No plantel, mais do que as saídas – até porque, para além da novela Bruma, em grande parte não deixam saudades –, os holofotes têm estado acima de tudo sobre as contratações. E, das novidades apresentadas para assegurar o futuro imediato da equipa, Fredy Henkyer Montero Muñoz é provavelmente um dos maiores destaques.

Chegado a Alvalade rotulado de craque, o colombiano foi o nome mais propalado durante o defeso – muito em virtude da transferência de Wolfswinkel para o Norwich e da falta de uma outra solução satisfatória para dentro do plantel.

Fredy Montero surge como um avançado rápido, desequilibrador, dotado de uma técnica apurada, móvel e forte nas bolas paradas. Contudo, às altas expectativas – ainda maiores na sequência de uma pré-época em que chegou tarde, mas em que rapidamente se destacou com golos e pormenores –, aos vídeos, aos artigos e à esperança de que as capacidades de El Avioncito sejam mesmo uma realidade, juntam-se as dúvidas sobre a possibilidade de o colombiano vir mesmo a tornar-se num dos heróis da temporada 2013/14.

Melhor marcador, por exemplo, do Torneio de Apertura de 2007 e do Torneio Finalización de 2008, internacional AA – apenas por quatro vezes  pela Colômbia, nos Estados Unidos recebeu vários prémios individuais, tendo sido inclusivé o melhor marcador da história do Seattle Sounders. Mas, a verdade é que, de semelhantes, os campeonatos de Portugal, da Colômbia e dos Estados Unidos, pouco ou nada têm.

Jogar em Portugal será para Montero um verdadeiro desafio e, aos 26 anos, esta será sem sombra de dúvidas a derradeira prova de fogo. Tendo em conta as últimas formações apresentadas por Leonardo Jardim, a grande dúvida estará, muito provavelmente, em perceber se Fredy pode ou não jogar sozinho na frente de ataque. Com uma estatura relativamente baixa e pouco poder de choque, será difícil para o jogador impor-se durante 90 minutos por entre defesas centrais fortes fisicamente, correndo o risco de, à semelhança de Ricky – que já marcou o golo da ordem pelo Norwich –, terminar cada jogo de rastos e com as marcas de quem acabou K.O. ao fim de 2 ou 3 rounds.

Devo admitir, sou um entusiasta do estilo de jogo de Montero, mesmo com a escolha arriscada na cor das chuteiras. Com El Avioncito recordo a expectativa da chegada de jogadores como o Matias Fernandez. Jogadores que, por mais ou menos lesões, e por mais ou menos capacidades físicas, nos fazem ver a bola ao domingo à tarde, no estádio ou na TV.

O Sporting somos nós.