Como se não bastasse

por 12 de Junho de 2013Os textos do Damas0 Comentários

A gestão de Godinho Lopes e sua equipa já tinha deixado o Sporting Clube de Portugal às portas da insolvência. Com ordenados em atraso, prejuízos crónicos e os lucros como apenas uma miragem, Bruno de Carvalho encontrou um Sporting desmoralizado e com dificuldades críticas em seguir com a sua história centenária.

Muitos de nós regozijaram-se com a política de contratações seguida por Godinho Lopes no início do mandato. A contratação de inúmeros jogadores, muitos deles internacionais e com alguns créditos firmados, mas alguns também com pouca ou nenhuma vontade de jogar futebol. Os resultados não apareceram e a solução foi continuar com a mesma política que, como se viu, colocou o Sporting Clube de Portugal na pior classificação de sempre.

O valor das comissões que terão de ser pagas devido às transferências realizadas pelo nosso clube escandaliza não só pelo valor em si, mas também porque torna cada vez mais surreal o mandato do anterior Presidente. Reforços contratados a peso de ouro, com vencimentos pornográficos e comissões douradas pagas a intermediários diversos deixaram-nos onde?

12 Milhões de euros são também 12 milhões de razões para não ceder face á pressão e chantagem destes agentes que, como se tem visto nos casos de Tiago Ilori e Bruma, colocam o seu interesse pessoal á frente do dos jogadores, que deveriam ser os principais elementos da equação e que, em vezes demais, ofuscados se eclipsam no mundo do futebol.


É com muitas dificuldades que Bruno de Carvalho e sua equipa têm preparado a próxima temporada. Sem dinheiro e com poucos ativos que possam contrabalançar o défice crónico de lucros, está a ser feito um apertar de cinto que, como anteriormente referimos, pode não ser justo para muitos, mas que tem mesmo de ser realizado se queremos que o futuro seja verde e branco.



Sporting não de Lisboa, mas de Portugal