ruisilva3

Será Justo?

por 24 de Maio de 2013Os textos do Damas0 Comentários

O Sporting Clube de Portugal encontra-se, como todos sabemos, numa situação financeira precária, por culpa de maus resultados desportivos mas, acima de tudo, por uma gestão danosa que resultou um aperto de cinto que será sentido principalmente na próxima temporada desportiva. As modalidades ditas amadoras irão, como todo o universo Sporting, sofrer com as consequências desse constrangimento financeiro.

Mas o Sporting, ao contrário da grande maioria dos clubes do nosso panorama desportivo, faz do ecletismo uma bandeira, sustentada pelo apoio de milhões de sportinguistas que, todas as temporadas, mostram que o amor que têm pelo Sporting não se cinge ao futebol profissional e não deixam de apoiar pelas pistas e pavilhões deste país.


Não olhando para modalidades sem expressão desportiva marcante bem como as outras que, através de protocolos de independência, vão trilhando o seu caminho com meios próprios, importa olhar para duas que são, unanimemente consideradas, as mais importantes, o andebol e o atletismo.


O andebol vem sendo ao longo das últimas temporadas, sucessivamente vítima do crescimento da crise económica, que tem vindo a colher o seu desenvolvimento. Apesar do título nacional fugir há já longos anos, a vitória na Taça de Portugal da temporada passada e da Taça Challenge, feito soberbo para a conjuntura do andebol português, a verdade é que a contenção de custos tem sido uma constante nas últimas temporadas. Com uma equipa jovem a verdade é que os leões conseguiram intrometer-se numa luta pelo título, batendo o pé a FC Porto e Benfica nesta temporada, equipas com recursos incomparáveis.


O atletismo é um porta-estandarte, não só do Sporting, mas também de Portugal. As muitas medalhas conquistadas por atletas do Sporting na maior competição desportiva, os Jogos Olímpicos, bem como em Campeonatos da Europa e do Mundo, juntam-se a resultados que não têm comparação no panorama da modalidade no nosso país. Porém, a verdade é que a austeridade que também se tem sentido nesta modalidade tem vindo a que o domínio avassalador seja substituído pelo aparecimento de outros clubes que só recentemente acordaram para o atletismo.

Assim pergunto, será justo que os cortes que se perspetivam se efetivem? Muitos dirão que é necessário para que a viabilidade do clube seja uma realidade mas eu rebato. E o orgulho sportinguista? O exemplo que durante anos transmitimos a todo o país? E os resultados obtidos? Não. Não é justo para praticantes e adeptos que continuam a querer que o Sporting não seja, como muitos, apenas futebol. Que seja sim, e continue a ser um farol de ecletismo neste país, que tão necessitado está destes exemplos.



Sporting não de Lisboa, mas de Portugal