dier

Fórmula: Formação.

por 15 de Abril de 2013Os textos do Damas0 Comentários

É de conhecimento geral que o nosso clube é reconhecido na Europa do futebol, a par do Ajax, do Hajduk Split, e até mesmo do Borussia de Dortmund, como um clube capaz de formar dos melhores jogadores a nível mundial. Já é norma e tradição formar produtos de excelência. Figo, Cristiano Ronaldo e Nani são disso exemplo. O trabalho que se pratica há vários anos na academia de Alcochete, faz com que actualmente o Sporting ocupe a quinta posição no ranking de clubes que mais jogadores oferecem ao futebol Europeu. 

E é devido a esse trabalho de excelência que, mesmo no decorrer da pior e mais penosa época da nossa centenária história, ainda houve tempo para reanimar e fazer rejuvenescer um leão que se mostrava debilitado e em estado grave. É verdade que Jesualdo Ferreira – de quem mais tarde vou falar – foi obrigado a apostar na formação, mas também é verdade que esta fornada made in academia, funcionou para a equipa como um balão de oxigénio. Esta época, foram chamados à equipa principal oito jogadores oriundos da formação. Betinho, Ricardo Esgaio, Ilori, Zezinho, Fokobo, João Mário, Bruma e Dier. Oito jovens jogadores de características diferentes, mas com o factor qualidade como denominador comum. Apesar de reconhecer valor a todos eles, e gostar particularmente de Zezinho e Betinho, existem dois fora de série nesta fornada de talento. Bruma e Dier são, sem sombra de dúvida, dois jogadores de craveira mundial. 

O jovem inglês é um central de tipo “fino”, rápido e com bom posicionamento. Evoluído tecnicamente e tacticamente disciplinado, Eric Dier tem potencial para atingir um nível de classe mundial. Jesualdo tem aproveitado para o utilizar como médio interior e, por incrível que pareça, em nada tem desiludido. Dier acrescenta ao meio campo do Sporting mais poder de choque, mais poder de combate para iniciar o processo defensivo uns metros mais à frente e acrescenta centímetros para as bolas paradas. Eric Dier caiu no goto dos adeptos e as qualidades do jogador estão a vista de todos. E ao que parece no caso do jovem inglês, o Sporting formou um grande jogador e um grande homem «at the [Sporting] Academy I found a second family. Everybody has left a big impression on me. It was at the Academy that I grew as a man and as a player. Truth be told, a lot of the person I am today I owe to all the employees of the Academy. I’m very grateful.».


Depois segue-se Bruma. Esta semana falou-se de que podia rumar à Bundesliga ou à Premier League, mas o extremo guineense sente-se bem no Sporting e, segundo os jornais desportivos, a renovação está muito bem encaminhada, já que a vontade do jogador é ficar no Sporting. Em nada duvido destas palavras, há bem pouco tempo Bruma afirmou numa entrevista ao jornal Sporting que «foi aqui que aprendi tudo o que sei e sou. Cresci e evoluí tanto a nível profissional como humano. Sinto-me bem no Sporting e é aqui que quero continuar. Tenho muito para aprender e aperfeiçoar e é no Sporting que tenho todas as condições para que isso aconteça. Quero continuar a trabalhar para jogar cada vez mais na equipa principal e realizar outro dos meus sonhos: ser campeão nacional pela equipa principal. O Sporting é tudo para mim.». Para lá deste discurso que me agrada imenso, dentro das quatro-linhas, Bruma tem pormenores que me fazem lembrar alguns dos jogadores que referi como produtos de excelência. É um jogador talentoso, virtuoso e um diamante em bruto. É um miúdo de 18 anos que pega na bola e que corre pelo flanco sem ninguém o conseguir travar. Arrisca, parte para cima dos adversários, com mais um drible, com mais uma finta, com mais uma corrida que deixa os adeptos maravilhados. Bruma tem uma margem de progressão assombrosa e o Sporting tem de saber tirar proveito disso. 

O Sporting voltou finalmente a perceber que o caminho será rentabilizar desportivamente os talentos da formação, portanto, resta-nos esperar que o professor tire proveito desta imensa qualidade. Se for feita de forma moderada e cautelosa, esta aposta trará muitos benefícios – tanto desportivos como financeiros – num futuro próximo. Teremos também de ser pacientes perante as falhas que irão aparecer, pois estas fazem parte do crescimento dos jogadores. Teremos de apoiar estes rapazes, que sem culpa nenhuma e sem tempo para crescer em condições normais, foram lançados às feras na esperança que coloquem o leão a rugir bem alto novamente.


Sporting Sempre