post-carnaval

O Carnaval em Alvalade.

por 11 de Fevereiro de 2013À saída do estádio0 Comentários

Desengane-se quem pense que por ser Carnaval, não se leva a mal.

Com um horário apelativo, bilhetes a preços acessíveis e com a recente queda de uma direcção que nos desnorteava a todos os níveis, os motivos eram convidativos para que os Sportinguistas comparecessem para apoiar o clube e sobretudo para apoiar esta equipa. Embalado pelo espirito de união que me enchia a alma, decidi uma vez mais, deslocar-me até Lisboa para que a minha equipa, para que os meus jogadores, soubessem que nós continuamos ali de corpo, alma e coração. 

Tudo estava perfilado para um grande tarde de futebol. Nas bancadas, algumas famílias e muitas crianças equipadas a rigor. Mascarados de leões ou equipados à jogador do Sporting, entoavam os cânticos de apoio ao Sporting à sua maneira e de sorriso estampado no rosto, com certeza a imaginar – como eu fazia quando era novo – os golos dos seus ídolos.

A bola começa a rolar e todo este ambiente de festa e de folia, acaba uma vez mais em palhaçada e em parvoíces típicas de quem não sabe “jogar” ao Carnaval. O Sporting, não o nosso, mas este de 2012/2013, é o pior ataque da liga, está a quatro pontos da linha de água e apresenta um futebol confrangedor, um futebol que nos faz doer a alma. 

O Sporting está perdido. O Joãozinho marca os livres, o Rei Patrício foi a 1324234 vez esta época que subiu no desespero até a área contraria, o Sporting já utilizou trinta e cinco jogadores este ano, o Sporting não cria uma oportunidade de golo em lances de bola parada, o Sporting não consegue fazer cinco passes seguidos, o Sporting não se esforça e o Sporting não tem sorte, mas também não a procura.

A defesa esteve um desastre. Joãozinho é bom rapaz, é esforçado e cruza bem mas não passa disso. Xandinho, palavras para que? Pedro Mendes – vai para o Parma?! – , ainda precisa de tempo, não pode ser mais um jogador lançado às feras. E por último, Miguel Lopes, fez hoje o seu pior jogo. Fraco a defender – mais um golo do seu lado – e sem apoiar Capel no ataque, o Sporting em nada beneficiou com a sua actuação no lado direito.


No meio-campo, se é que se pode chamar assim, hoje foi mau demais para ser verdade. Rinaudo jogou desconcentrado e de forma muito atabalhoada, Adrien, uma vez mais continua a milhas do que exige a um médio do Sporting, ainda para mais neste 4-3-3 e Labyad, pouco ou nada trouxe que seja motivo de analise. Pouca inspiração, pouca capacidade de luta, pouco poder de choque, pouca criatividade e sinceramente, pelos menos a mim pareceu-me, pouca vontade.

Na frente, gostei da surpresa de Jesualdo Ferreira. Bruma, no meio deste deserto futebolistico, foi o mais esclarecido e o mais criativo. A par de Rui Patrício, foram no meu ponto de vista, os melhores – e únicos – em campo. Capel, esteve muito abaixo das suas capacidades, insistiu muito em jogadas individuais e muitas vezes sem critério, e Ricky, continua a falhar oportunidades que deixam qualquer um desesperado.

Jesualdo Ferreira, não foi feliz nas substituições. Lançados para atenuar o aborrecido futebol da equipa, Carrillo pouco acrescentou, Rúbio apesar de ter mexido com o jogo, não pode nunca, ser a segunda referência para o ataque de um clube como o Sporting e por fim,  João Mário foi lançado a 15 minutos do fim e conseguiu ser mais esclarecido que Adrien em 75 minutos.

Isto tudo contra uma equipa do Marítimo que, apesar de bem organizada na defesa, é uma equipa que tem feito um campeonato abaixo da média. Este fraco Marítimo, teve momentos do jogo em que proporcionou aos jogadores do Sporting assistirem em pleno relvado a um bailinho da Madeira.
O futebol do Sporting não alterou o disfarce e muito menos mudou de máscara. Tudo bem que é Carnaval, mas neste caso acho que os vinte e cinco mil adeptos em Alvalade já começam a levar a mal.

P.s. : Custa-me, e custa-me muito, que em Alvalade, os adeptos gozem com as subidas de Rui Patrício. Custa-me olhar para os jogadores que representam o meu clube e constatar que muitos deles não sabem os princípios básicos do futebol. Custa-me e custa-me cada vez mais apoiar esta equipa.

Ass: Sporting Sempre