assembleia-geral

Quanto mais rápido, melhor!

por 23 de Janeiro de 2013Os textos do Damas0 Comentários

Após mais um folhetim dos quais o Sporting Clube de Portugal continua infelizmente a ser protagonista, a Mesa da Assembleia Geral (MAG) deliberou aceitar o requerimento apresentado pelo Movimento “Dar Rumo ao Sporting” para a concretização da Assembleia Geral Extraordinária (AGE) que irá dar voz aos sócios quanto á destituição ou não do Conselho Diretivo liderado por Godinho Lopes.
Foi com um começo tímido mas sustentado que este movimento apareceu aos olhos dos sportinguistas. O descontentamento de todos com o desempenho da direção sportinguista já era evidente há algum tempo, conjugado com as diversas divergências internas de elementos ou antigos elementos da direção, acusações de parte a parte e tomadas de decisão totalmente incompreensíveis que colocaram a face mais visível do Mundo Sporting, o futebol profissional, a um passo da inédita descida de divisão. Assim, e apesar de uma fase inicial muito cautelosa, em que até foram recebidos por Godinho Lopes, este movimento optou pela recolha de assinaturas que tornassem possível uma AGE com vista á destituição do Conselho Diretivo. Segundo a MAG, todas as normas estatutárias foram cumpridas pelo que a AGE terá de ser marcada até 22 de Fevereiro.
A resposta do Conselho Diretivo não se fez esperar e tornou ainda mais ridícula toda uma situação triste que a nossa instituição atravessa. Acusa o Conselho Diretivo que a MAG tomou uma posição parcial e não isenta, alinhada estrategicamente com um ex-candidato a Presidente do Sporting Clube de Portugal. Em segundo lugar, afirma o Conselho Diretivo que nenhum dos pressupostos que os estatutos exigem para a marcação da AGE foram cumpridos, pelo que há uma violação dos estatutos e da lei. Por último, e seguindo a linha de ataque marca este comunicado, o Conselho Diretivo afirma que a MAG se encontra indiferente ao momento que vive o Sporting atendendo ao mercado de transferências, à famigerada reestruturação, uma desconhecida ou obscura campanha de sócios e, pasme-se, à recuperação da equipa profissional de futebol.
           
Em primeiro lugar, importa verificar se todas as normas estatutárias foram cumpridas. Se as assinaturas estão legais bem como se o pagamento do montante necessário (acho que todos nos perguntamos o porquê desse valor ser tão elevado) foi na verdade efetivado. A questão da justa causa nem se coloca pois é evidente a degradação do Conselho Diretivo e das suas decisões. Se todas as normas estatutárias foram cumpridas, seria sim incompreensível que a MAG não optasse pela marcação da AGE.
Seguidamente, é necessário analisar a reação do Conselho Diretivo. Se quem ainda tinha dúvidas de que Godinho Lopes é um Presidente agarrado ao lugar com unhas e dentes não as tiver clarificado, fico bastante preocupado com o nível de sportinguismo a que chegámos. Sem ter a coragem de se demitir, Godinho Lopes será certamente destituído pelos sócios que não se deixarão atemorizar com esta campanha orquestrada. O facto de a equipa profissional de futebol seguir numa série de três encontros consecutivos a vencer não pode ser uma atenuante á avaliação de uma direção que há mais de um ano vem destruindo sonhos a todos os sportinguistas.
Por mim, apenas digo. Senhor Godinho Lopes, não é função do Conselho Diretivo zelar e proteger o clube, “seja de quem for”, essa função é de todos os sportinguistas.
          
Ass: Sporting não de Lisboa, mas de Portugal.