godi

O lado de muitos, o nosso lado e o lado de todos.

por 11 de Janeiro de 2013Os textos do Damas0 Comentários

Parece que chegou o fim para a gestão tenebrosa de era Godinho Lopes.


O lado de muitos.

Godinho cometeu duras atrocidades no universo leonino. Despachou os seus homens do projecto, eliminou homens da sua campanha em jogadas obscuras, usou treinadores como peões prestes a serem devorados e, numa tentativa de remediar as constantes jogadas em falso, alargou em números massivos o endividamento perante a banca. Jogou com as melhores peças de um tabuleiro onde uma vez mais, foi “papado” pelo Kasparov do norte. Godinho não conseguiu valorizar nenhum activo do clube e não conseguiu encontrar alicerces para a estabilidade. Hoje, Godinho apercebeu-se que jogou numa mesa em que, mais jogada menos jogada, o presidente do Sporting acabaria por ficar em xeque-mate.

Numa manobra ofensiva por parte dos adeptos do Sporting, em particular dos responsáveis pelo projecto “Dar rumo ao Sporting”, que preencheram todos os requisitos estatutários precisos para a realização de uma Assembleia Geral Extraordinária, Godinho Lopes deverá ter a percepção que o seu ciclo acabou. Totalmente desgovernado e desapoiado, o presidente “interino” do Sporting tem duas opções: ou se demite, como o próprio disse que ia fazer – mas o que ele diz não se escreve -, ou será destituído do cargo de presidente por decisão unânime dos sócios do Sporting. Para júbilo de milhares de Sportinguistas, os dias de Godinho estão contados.

Godinho não sai sem antes ser protagonista de acções que envergonham os adeptos e sócios. A venda de “IzmaGaylov”, o negócio do nove milhões Elias, os ordenados anedóticos de jogadores como Gélson, a venda de o capitão Daniel Carriço por trocos, as prendas enviadas para Itália e Espanha, a promessa de um pavilhão que nunca chegou, o dinheiro do negócio Djálo que nunca apareceu, a mais recente relação à italiana com o clube dos corruptos, etc..


A espiral de asneiras cometidas por Godinho Lopes ficará para sempre gravada na história de um clube que, hoje, atravessa o seu período mais negro dos mais de 100 anos de existência.


O nosso lado.

O cabeça de cartaz para o futuro do Sporting chama-se Bruno de Carvalho. As sucessivas atitudes em prol do Sporting, o seu discurso transparente e fluído, com ideias concretas para o futuro do Sporting, fazem deste homem o mais sério e competente candidato ao lugar. Bruno de Carvalho tem por inerência a capacidade de ruptura com a continuidade, é portador de sangue novo, capaz de acabar com uma serie de notáveis e “croquetes” de Alvalade.

Vejo em Bruno de Carvalho um homem que não se deixará influenciar por interesses de âmbito pessoal. Vejo também um homem que não compactua com os lambuças e com os sanguessugas que catapultaram o Sporting para uma situação insustentável. Muitos não apoiam este candidato, é compreensível, mas esses muitos que não apoiam votaram num homem com um historial de falcatruas e polémicas.

Bruno de Carvalho não é o salvador do Sporting, nem um homem de percursos imaculados, mas o facto de saber que acaba com uma linhagem de “Roquetismo”, “Bettencurismo”, “Godinhismo” e todo o “merdismo”, faz dele o homem com mais condições para assegurar o lugar de presidente do Sporting.

O lado de todos.

Hoje foi um dia de boas noticias. O Sporting assegurou a maioria da S.A.D, com o pagamento dos juros até 2014, ficando assim resolvida a situação das “VMOC”. 
Após isto e depois de reunidas as condições para uma AG, sendo ou não Bruno de Carvalho – da maior parte, duvido que não seja – o próximo presidente, é de realçar que o período de amargura está a caminhar a passos largos para o fim. Para todos os adeptos e sócios do Sporting, volta-se a ver a luz ao fundo do túnel. Depois do atentado desportivo e administrativo cometido por Godinho Lopes, perspectiva-se agora o momento propicio para um renascimento do Sporting. O desejo é que acima de tudo o clube se volte a erguer, pois o Sporting parece que está perto de estar de volta.