Diogo

Outra voz

por 9 de Dezembro de 2012Hoje é a tua vez0 Comentários

Hoje é a tua vez.

Este é um blogue de Sportinguistas e para Sportinguistas, de tal forma que continuamos a dar “voz” a quem nos tem acompanhado. Na rubrica “Hoje é a tua vez”, deixamos o texto de Diogo Bernardo.

“Palestra aos jogadores, no balneário, minutos antes do jogo Sporting – Benfica

A Juventude Leonina, claque com mais tempo de vida que qualquer um dos que aqui estão sentados, tem entoado, nos últimos jogos, um novo cântico. Dizem eles que “Quando os rapazes de verde e branco entram em campo é para ganhar”.

Devem estar a pensar que “rapazes de verde e branco” são vocês. Que o cântico se refere apenas a jogadores que vestem uma camisola, não sabendo se branca com riscas verdes ou verde com listas brancas. Têm a certeza que é um incentivo a vós destinado, atletas de alta competição, pagos para dar uns pontapés na bola, num estádio lotado por milhares de pessoas que vos seguem só e apenas para vos apoiar. Porque vos admiram, porque querem os vossos autógrafos, a vossa presença, seja ela em segundos num aperto de mão ou eterna numa fotografia que acabará colada na parede. Cantam porque vos amam, pensam vocês.

Mas enganam-se redondamente. O termo “rapazes de verde e branco” refere-se ao sonho de milhões de pessoas. O sonho de pessoas que desde crianças querem, acima de tudo na vida, ter o vosso privilégio. Que passaram a infância a correr da sala à cozinha e da cozinha ao quarto com uma bola de esponja ou de trapos, gritando nomes que ouviam na televisão, enquanto chutavam a pequena esfera. No final havia sempre um grito de triunfo, que culminava o remate mais fantástico na bola que alguma criança conseguia imaginar, de braços erguidos e a felicidade estampada no resto.

E a melhor parte deste sonho é que ele não morre com a idade. Ele mantém-se nos anos vindouros de qualquer adulto apaixonado. A única diferença é que este apenas corre pela casa quando está sozinho e os seus gritos vão baixando de tom. “Os rapazes de verde e branco” são, nada mais, nada menos, do que o sonho que todos tivemos, tornado realidade na vida de outrem. Não no seu talento, nem tão pouco na sua forma física ou na sorte de ter nascido com um brilhante destino traçado.

A verdadeira fortuna está na cor. O verde e branco é o nosso sonho comum, partilhado entre milhões de mentes, jovens em tamanho mas enormes na sua imaginação. E estas cores de fantasia são materializadas na camisola que todos têm, neste exato momento, vestidas. Nós sabemos: ela pesa toneladas. Traz o fardo de mais de cem anos de história vitoriosa e acima de tudo, de uma verdadeira obrigação de a enaltecer. Obrigação, tal como diz o cântico, “de ganhar”. Todos nós sabemos. Mas será que vocês também?

Não pensem que vos deixamos sozinhos. Quem enverga esse lindo pedaço de tecido faz parte da nossa família, e esta não se abandona. Porém, para que nunca nos rendamos, pedimos algo em troca. E é neste momento que a Juventude Leonina acaba o seu cântico: “Não tenham medo, joguem à bola e a camisola é para suar”.

Nós, adeptos, fazemos o nosso esforço por vocês. Hoje, amanhã e sempre. Tudo o que pedimos em troca é esforço de volta. É que dignifiquem o símbolo mais nobre que alguém pode trazer ao peito. É que corram, que se esforcem, que lutem com forças que nem imaginavam ainda ter. Que gritem de revolta quando algo não sai bem, mas que no momento seguinte dobrem o empenho pare recuperarem a ocasião perdida. Que acabem o tempo somente na vossa meta, com a sensação de que podem morrer a qualquer instante por já não vos restar energia para sequer continuarem de pé.

O Sporting é Enorme, meus caros, mas é difícil lutar por ele. Só os corajosos aguentam tal instância. O que vos pergunto é: estão à altura do sonho da nossa infância?"