post-natal

As épocas festivas do “todo poderoso” Godinho.

por 20 de Dezembro de 2012Os textos do Damas0 Comentários


A foto, que é oficial, é muito engraçada… mas, está muito longe do contexto actual, tanto do estado do Sporting Clube de Portugal, como da época festiva.

A ideia é celebrar o ecletismo do clube, na foto Godinho Lopes aparece como figura central, rodeado de valores e atletas portugueses, que fazem do Sporting um clube com uma dimensão enorme, mas com o seu poder assente no grande alicerce do clube. Aparece rodeado de nove pessoas de cada lado e, no meio, o Salvador – como o próprio já afirmou – do Sporting. 


Esta infeliz ideia de antecipar a sua “Última Ceia” da Páscoa para o Natal é o reflexo do seu egocentrismo desmedido. A obra de Leonardo da Vinci representa a cena da última ceia de Jesus e seus apóstolos antes de ser preso e crucificado. Será que o próprio estará a antecipar o futuro?

O “todo poderoso” está a sorrir, de braços abertos, dando a ideia de que está a discursar e de que os seus apóstolos o vão seguindo atentamente. No contexto do Envagelho, Jesus partilhava com os seus discípulos a iminente traição de que iria ser alvo, mas, nesta foto, é para mim evidente que o Salvador Godinho vive longe da realidade do clube, bem como da real mensagem da famosa obra.

No contexto actual em que se encontra o Sporting Clube de Portugal, aparecer como figura central de uma história inenarrável é uma afronta aos sócios do clube. Com os resultados da equipa profissional, com um ano e meio de mandato doloroso para o universo leonino, com as constantes guerrilhas internas – já lá chegaremos -, com os 70 milhões gastos, com as falsas promessas de um pavilhão e os sucessivos projectos falhados, Godinho Lopes tentar passar a mensagem de que o reino do Leão continua forte e eclético é uma, volto a dizer, afronta a todos os sócios e adeptos com lucidez.

Aqui nas “Redes do Damas” não somos a favor da sua continuidade mas também não somos a favor destas constantes vozes públicas. Uma das melhores jogadas que o presidente do “atrás de mim é o caos” poderia fazer era: proibir, pessoas com funções no clube de falarem aos órgãos sociais bem como proibir a participação em programas televisivos. Esta semana José Eduardo, Dias Ferreira, Sousa Sintra, Eduardo Barroso e Paulo Andrade estiveram em debates televisivos sobre o actual estado do nosso clube. Todos estes cavalheiros, que eu acredito que querem sempre o melhor para o Sporting não o deviam poder fazer, todos eles desempenham funções no clube, pertencem às – demasiadas – estruturas do clube e isto deveria ser uma regra e um hábito implementado pelo “todo poderoso” Godinho, até para a sua própria protecção.

Não querendo criticar mais o presidente, até porque já começo a ficar cansado e envergonhado com estes episódios ridículos, penso e confesso que Jesualdo Ferreira pode ter sido uma jogada acertada. Na sua primeira entrevista, Jesualdo foi claro como a água, afirmou que o nosso modelo deve ser baseado na Academia, que esta deve produzir a espinha dorsal da equipa principal e que depois é complementada com outros valores (internacionais). Foi um discurso extremamente racional por parte de quem tem muita experiência  Mas a principal questão não se prende com o facto de Jesualdo Ferreira ser bom ou não, prende-se sim, com o facto de ser mais um que vai entrar na estrutura do “todo poderoso” e revendo os anteriores resultados, Jesualdo Ferreira não terá uma tarefa nada fácil.