• Post-borrussia
  • Post-borrussia2

Sporting à la Borussia

por 1 de Novembro de 2012Os textos do Damas0 Comentários

Este comentário será baseado num artigo de Bruno Prata que foi escrito no jornal Público. Um artigo que vai ao encontro do que penso ser extremamente vantajoso para o Sporting. Não quero fazer comparações, pois o Sporting Clube de Portugal, para mim, é o melhor clube do mundo. Mas, sentimentos à parte, é verdade que o Borussia Dortmund seria, por parte dos responsáveis do Sporting, um exemplo a ter em conta.

Este clube alemão, o mesmo que na minha pré-adolescência vi conquistar uma Liga dos Campeões frente à Juventus, andou afastado da Europa durante oito anos. Venderam o estádio, dispensaram os principais activos, reduziram em 20% os salários do plantel e estiveram inclusive para descer de divisão. Em 2005, o Borussia esteve para entrar em bancarrota. Foi um clube que chegou ao cúmulo de aceitar um empréstimo do rival Bayern de Munique.

A fórmula sagrada foi encontrada por Hans-Joachim Watzke, o director executivo do clube. E, para o ajudar a conduzir este projecto a nível desportivo, foi contratado Jürgen Klopp, um treinador com 43 anos e que, segundo dizem os entendidos, tem grandes capacidades de liderança. 
O projecto passou pela aposta na formação, pela contenção de custos e pela contratação de jovens promessas a nível nacional. Apoiado por uma massa adepta fascinante, o Dortmund foi caminhando passo a passo até ao sucesso. 

«Para complementar esta estratégia, o Dortmund contratou Jürgen Klopp, um treinador também jovem (43 anos), que tinha ganho mais popularidade a apresentar um programa televisivo de desporto do que a treinar o Mainz. A verdade é que a sua forma paternalista e bem-disposta de liderar o balneário tem funcionado na perfeição. Klopp dá privilégio a jogadores inteligentes, que entendam as subtilezas tácticas e a necessidade de praticar um futebol atraente. E tem-no conseguido, como o prova a afluência média no Signal Iduna Park, que ultrapassa os 79 mil espectadores por jogo, a mais alta da Europa, a par do Barcelona, com quem o Dortmund gosta de ser comparado.”

Sou obrigado a concordar quando vejo jogar Hummels, Subotic ou até Mario Götze. Os dois primeiros foram contratados com 19 anos e hoje são provavelmente das melhores duplas de centrais da Europa. A equipa de scouting do Borussia Dortmund é também portadora de uma visão clínica. Exemplo disso foi Kagawa, hoje médio do Manchester United, que foi descoberto na segunda divisão japonesa.
Originário de uma cidade com cerca de 500 mil habitantes, o Borussia Dortmund tem uma incrível média de 80 mil espectadores no Signal Iduna Park. Tal como o Sporting, este Borussia tem uma mística e uma devoção por parte dos adeptos que me fascina bastante. É, neste momento, o – Bi – campeão em título na Alemanha e “joga muito à bola”.

Pois bem, numa altura em que a equipa do Sporting B parece transbordar de potencial, seria de copiar o projecto. Quando o Sporting Clube de Portugal tem nos seus quadros desportivos jogadores de 18, 19, e 20 anos como Pedro Mendes, Eric Dier, João Mário, Ricardo Esgaio, Zezinho ou Betinho, seria de pensar se o futuro do Sporting não poderia passar por aqui, em detrimento de 70 milhões gastos em jogadores que não respeitam o clube nem honram a camisola.


Se o projecto do Borussia resultou sustentado em jovens promessas, o Sporting tem a nata do melhor que existe nas camadas jovens a nível nacional e, certamente, a nível europeu; se resultou na contenção de custos, jogadores como Elias ou Jeffrén deveriam ser vendidos; se os adeptos ajudaram, então o Sporting teria tudo para rumar ao sucesso a curto prazo.

Tal como é dito no fim do artigo: «(…) Godinho Lopes não perdia nada em enviar, durante uma semana, um observador a Dortmund (…)».