ver

Bem vindo, Franky

por 25 de Outubro de 2012Hoje é dia de Sporting0 Comentários

Franky Vercauteren. Duas palavras – já acompanhadas de uma polémica sobre como pronunciar a segunda da maneira mais correcta – foram suficientes para acabar com cerca de 3 semanas de especulação em torno do novo treinador. Vercauteren é belga e conta com um currículo apreciável como treinador, bem como jogador. Campeão por várias vezes e em clubes diferentes, por cá, o técnico é, no entanto, um completo desconhecido e nem os títulos já conquistados trazem a maior das tranquilidades à maioria dos sportinguistas. 



Tal como noutras épocas, e perante o desconhecimento, resta aos adeptos confiar na escolha e apoiá-la. Vercauteren é, no mínimo, um homem experiente, sabedor dos enredos e novelos do futebol e, pelo que parece, de fortes convicções. Questionado sobre se o Sporting voltará a lutar pelo título, a resposta é categórica: «Quero é colocar a equipa no bom caminho. E não prometo, faço!». Já sobre o momento actual e a sua chegada, Franky refere que quer «colocar tudo no seu lugar, de forma calma» e que, acima de tudo, o que é do balneário pertence ao balneário:  «Não faço comentários sobre a equipa, nunca faço,k só faço aos jogadores. Eles devem ser os primeiros a saber, com os dirigentes».


Fora do Sporting, muitos são os que avaliam de forma positiva esta contratação. Para grande parte dos comentadores, Franky é um homem apaixonado pelo futebol, agressivo, ofensivo e, como é sempre de relevar, ligado à formação e aos jovens. Mas, são também muitos os que, desde já, se opõem à curta duração do contrato – válido até ao fim desta época. Diz-se que é um homem a prazo e que os pouco mais de seis meses de contrato significam que a própria direcção não confia nesta escolha. Terá sido uma escolha em cima do joelho? Não é provável, até porque, como sublinhou Godinho Lopes, Vercauteren chega com o apoio de Carlos Freitas que, para o bem, ou para o mal, foi, durante os últimos anos, alguém com qualidades inegáveis de prospecção e de avaliação. Certo é que, caso o contrato tivesse uma duração igual à de Sá Pinto ou Domingos Paciência, muitas seriam as vozes contrárias a essa escolha.

Entretanto, até ao jogo com a Académica de Coimbra, Oceano Cruz é o técnico principal. E, desde já, fica o obrigado e os votos para que a dedicação e a paixão com que se liga ao clube permaneçam intactas. Oceano é apenas mais alguém arrastado por uma espiral interminável de decisões infelizes. Contudo, fez o que lhe foi possível, tentou não deixar cair a equipa numa situação ainda pior, procurou incutir valores eternos de sportinguismo dentro do balneário e não se escusou a dizer algumas verdades. 
Por essa razão, e mesmo com Vercauteren na bancada, hoje, mais uma vez, vamos estar todos com Oceano. Ele mesmo que, na antevisão do jogo com o Genk, no Estádio Cristal Arena, confirma que «a equipa está motivada e com a máxima concentração no jogo. A motivação passa por os jogadores darem tudo em campo e demonstrar o valor tanto a nível individual, com colectivo de forma a vencer a partida. Vai ser um jogo complicado mas queremos vencer».

Nos jogos em que Oceano esteve à frente da equipa, o ainda técnico afirmou sempre que os jogadores se encontravam motivados e inconformados com a actual situação. As palavras de Oceano nunca entraram dentro de campo, mas o técnico continua a acreditar. Resta-nos esperar que o adepto especial, que estará sentado ao lado de Godinho Lopes, faça elevar os níveis motivacionais e profissionais dos onze que entrarem em campo e que, ainda na primeira parte, Franky não se aperceba de que afinal, está prestes a afogar-se num oceano de problemas.