(In)Diferenças

por 7 de Setembro de 2012Os textos do Damas0 Comentários

No ano passado, por esta hora, o Sporting já tinha às costas o peso de dois empates – em casa frente ao Olhanense e fora em Aveiro, com o Beira-Mar – e de uma derrota – em Alvalade, com o Marítimo. Apenas à 4ª jornada, na Mata Real, com o Paços de Ferreira, viria a começar a “recuperação” que, na altura, trouxe várias novidades. Começavam os golos de Ricky Van Wolfswinkel, com a estreia na reviravolta com o Paços, e dava-se também a estreia de Elias. Com a vitória, o Sporting encetava uma série de uma dezena de jogos sempre a vencer e era alcançada a tão desejada estabilidade.
Contudo, em pouco tempo, a estabilidade deu lugar à euforia, desejada pela equipa, mas também ao entusiamo gerado pelos adeptos e comentadores em torno da capacidade do plantel, do modelo de jogo da equipa e da liderança de Domingos Paciência.

Hoje, cerca de um ano depois, à 2ª jornada, o Sporting – com um jogo em atraso – está no fim da tabela com apenas um ponto. À imagem do ano passado, as críticas já foram mais que muitas. Wolfswinkel ainda só apareceu no jogo da Liga Europa e Ricardo Sá Pinto, diz-se, é já um homem sem modelo de jogo próprio, agarrado ao 4-3-3 que, agora, a julgar pelos comentários depreciativos, se assemelha cada vez mais à cassete do 4-4-2 base, em que os jogadores aprendem a jogar em grande parte dos escalões de formação. Uma táctica que de ideal, em tempos modernos, passou - sabe-se lá porquê - a modelo de jogo gasto e  a prova de incapacidade criativa dos treinadores.

Na próxima jornada - que é apenas a terceira de muitas - o Sporting parece ter já de jogar todo um presente e futuro. Em caso de vitória no Funchal, frente a um adversário com alguma qualidade dentro do campeonato português, a equipa pode encarar os próximos jogos com outra serenidade. Em caso de empate ou derrota, tal como no ano passado, a crise pode instalar-se.

Por essa mesma razão, são boas notícias os regressos quase confirmados, e muito aguardados, de Izmailov e Rinaudo. Dois jogadores que podem dar mais qualidade ao onze e baralhar as contas ao treinador.

Enquanto a viagem atá à Madeira não chega, para já, vai dando para olhar mais de perto para a campanha da equipa de juniores, em mais uma edição da NextGen Series. Até agora, uma competição em que o Sporting tem tido destaque. Em apenas duas jornadas - tantas quantas as da equipa principal nesta Liga -, e após a vitória frente aos escoceses do Celtic, os juniores ocupam o primeiro lugar com seis pontos e são novamente candidatos a uma boa prestação na "Champions dos Putos". Apenas dois jogos,é certo, mas que fazem toda a diferença.

Destaque também para Betinho. Tal como aqui já o tínhamos referido, o avançado da equipa B está a fazer por merecer os holofotes e pode muito bem ser um dos próximos alvos de Sá Pinto. Desta vez, foi a publicação World Soccer, que o incluiu na lista dos 50 mais talentosos jovens jogadores a nível mundial. Uma notícia que, ao contrário de outros casos, muitos receberam com enorme sentido de... indiferença.