Uma história de amor.

por 26 de Agosto de 2012Os textos do Damas0 Comentários

Já lá vão 27 anos de união, companheirismo e com muito amor à mistura. Estamos numa fase mais sensível, sem certezas do presente, mas seguro que o futuro passará sempre por ficarmos juntos. Mas, não querendo passar novamente por crises sentimentais, quero deixar tudo em pratos limpos e nada melhor que utilizar palavras de sinceridade, paixão e sobretudo esperança, para resolvermos estas desavenças que são naturais ao fim de tantos anos juntos.
Será que tu sabes o que me fazes?
Na minha ultima saída contigo, em Maio, as coisas não correram bem, inventaste. Pensavas que não havia nada que te pudesse preocupar naquela tarde, eu tinha tudo preparado, levei comigo o sonho de que ia ser perfeito, que iríamos pintar o nosso coração a verde e branco, mas não, sem nada o fazer prever, decides que não estás para romantismos, deixas-me magoado com a tua reacção. Pedi-te um tempo, estivemos umas semanas afastados, estava triste e frustrado com o que me tinhas feito. O meu ego desceu, a minha auto-estima estava de rastos.
Deixámos a tensão passar e decidimos que iríamos tentar novamente. Eu aceitei, acreditei em ti e deixei-me levar outra vez pela tua beleza, pela tua classe, pela magia que me faz acreditar que contigo a meu lado, tudo é mais bonito.
Passaram alguns meses, os meus dedos voltaram a tremer, voltei a apaixonar-me intensamente, voltei a fazer planos e a sonhar acordado. Escrevo teu nome em todo o lado, tudo se pode associar a ti. Se o carro é verde, é mais bonito, se a camisola de alguém tiver a nossa cor, é mais bonita que todas as outras, tudo é motivo para me poder recordar de como tu és entusiasmante.
Espero ansiosamente para te ver ao fim-de-semana e conto as horas para sentir o teu cheiro único e indescritível. Sento-me à tua espera e, aí sim, aí os olhos brilham ao ver-te, sentado na bancada ou no sofá durante 90 minutos, à espera que deixes fluir o teu encanto  .
Estou ciente dos teus defeitos e limitações, mas temos de ser unidos e não descarrilar no primeiro contra-tempo, fazendo da força e do sacrifício os alicerces para o futuro. Mas tens também que me prometer esforço e dedicação. Estou preso a ti, porque quero, porque me enches a alma, porque me fazes abraçar, sorrir e cantar, porque me provocas sentimentos únicos e de valor incalculável.
Sempre teu, Sporting!