Mas que M#0″A é esta?

por 28 de Agosto de 2012À saída do estádio0 Comentários

O Sporting perde em casa, para o campeonato, pela primeira vez em Alvalade, na era Sá Pinto. Não perdia em casa com o Rio Ave desde 2003, num jogo para a Taça de Portugal. Pois bem, ontem isso aconteceu. Infelizmente, fomos brindados com esta surpresa.
Mas esta derrota é uma Surpresa?
Respondendo com as expectativas que tinha inicialmente para este jogo: lógico. E que surpresa tão amarga.
Analisando friamente o trajecto do Sporting, desde o início da época, a surpresa de não ter ganho hoje não ganha a mesma dimensão. Assim não somos candidatos a coisa nenhuma. Se não ganhamos ao Rio Ave em casa, de candidatos temos 0.
Na quinta feira passada, frente a uma equipa parecida com aquelas que encontro quando jogo futebol na brincadeira - onde se destaca um ou outro mas sem andamento para outros níveis - o Sporting falhou, teve dificuldades em todos os sectores, em todas as componentes do jogo e, o pior, tudo isto contínuo, sem mudanças de velocidade, sempre apático e de fraca inspiração ao longo dos 90 minutos.
Na defesa: o sector que menos é atingido, nesta espécie de tragédia grega, já tinha metido o pé na poça ao consentir um golo de forma amadora. Ontem, não foi por aí, embora, com o meu olhar crítico sobre o lance, no momento do golo, o Sporting estava em clara superioridade defensiva. Resumindo, o erro não foi aqui.
Meio campo: eu pergunto-me, o Sporting vai jogar contra quem? Gelson, Adrien e Elias?
Aqui, aparece um dos principais erros. Sem dinâmica, sem velocidade, sem criatividade, sem rasgos individuais, no fundo, sem nada. Um meio-campo confuso, parecido com aquele jogo do "quem é quem".
Não consigo perceber quem é o jogador que joga à frente da defesa, da mesma maneira que não sei quem é, neste modelo de jogo, o número 10. São 3 jogadores de características semelhantes e, independentemente de serem bons ou maus, juntos, já se viu, são péssimos.
Para não fugir à regra, deixámos correr 45 minutos e queimámos duas substituições, no que parece já um ritual de Ricardo Sá Pinto. Entraram Labyad e André Martins. Na minha opinião, e reconhecendo que, ontem, tanto um quanto o outro não estiveram bem, deviam ter começado de início, mas esqueçaram-se de avisar o Sá que o jogo era em casa e com o Rio Ave. Isto, deixando de lado a falta de profissionalismo, pelo facto de ninguém lhe ter dito que os nossos adversários directos tinham ganho e com goleadas. Enfim.
No Ataque: Diego Capel é um jogador vertical, de grandes correrias, mas nestes jogos, com equipas instaladas no seu próprio meio-campo, é pouco útil, oferece poucas soluções e, se o adversário cair em cima dele, aí então, apaga-se por completo. Carrilo é o único, no meio deste deserto futebolistico, em que eu acredito num rasgo de génio, num drible que tire 2 ou 3 adversários do caminho, mas é injusto querer que um puto de 20 anos leve o Sporting às costas. Van Wolfswinkel... está tudo dito.
Em suma: Com a apatia e o jeito mecanizado com que joga esta equipa, aliado, à liderança de um treinador que apresenta um discurso ao nivel deste começo de época, não podemos querer muito mais. Tentei ser o mais calmo e ponderado possivel, mas analisando até ao momento as provas obtidas, apetece-me dizer: mas que merda é esta?!